Blog

PESQUISA SOBRE MATURIDADE E SUCESSO EM T.I.

Relatório Completo – 2008

APRESENTAÇÃO

A SUCESU (Sociedade dos Usuários de Informática e Telecomunicações) tem como um dos pilares de sua missão o fomento e a disseminação do uso das tecnologias da informação e das melhores práticas para a boa governança da área de TI. Por isso, com muito prazer recebi o convite para apresentar ao mercado brasileiro o resultado de mais uma etapa da Pesquisa sobre Maturidade em Gerenciamento de Projetos, com ênfase para o sucesso e maturidade em projetos da categoria Sistemas de Informação (software). Nesta categoria estão aqueles projetos ligados a desenvolvimento e implantação de aplicativos de computação, instalação de pacotes de fornecedores externos, instalação de pacotes em clientes e grandes manutenções em aplicativos. Devido à importância estratégica da Tecnologia da Informação, seguramente, esta é uma das categorias de projetos mais ativas em todo o mundo.

TESTE O IGILE.COM GRÁTIS POR 07 DIAS

Já é praticamente uma unanimidade entre os especialistas de que esta crise internacional trará grandes oportunidades de negócios para as empresas brasileiras provedoras de serviços e produtos de TI, sendo que, em tempos de crise, um dos temas que mais se destaca é a eficácia na gestão de projetos. Oferecer, vender e manter serviços de TI é uma atividade completamente diferente do que fazer a gestão de hardware, software, telecomunicações, terceirizações, contratos e etc. A nova engenharia de gestão estará cada vez mais voltada ao conhecimento, colaboração, padronização, efetividade, excelência, produtividade, retorno financeiro, etc.

Em uma civilização como a descrita no livro “A era do Acesso”, do autor Jeremy Rifkin, nós podemos perceber que após a universalização da tecnologia, as vantagens competitivas migraram para as pessoas, processos e conhecimento e por isto este tripé tornou-se vital para as empresas.

De uma maneira bastante simplificada, como coloca o Professor Darci Prado, podemos afirmar que tocar projetos significa executar processos. Assim, qualquer solução para Gerenciamento de Projetos tem de levar em consideração o fluxo de processos e seus volumes e ela deve envolver pessoas, métodos e ferramentas que são alocados para que os processos ocorram.

O grande Peter Drucker, em sua histórica frase “o que não se pode medir não se pode gerenciar”, traduz a necessidade dos gestores de projetos de TI têm de se servir de metodologias e indicadores que lhes permitam estabelecer objetivos, monitorar os resultados e verificar, de forma objetiva, como e se as metas propostas foram atingidas. Daí a grande importância e contribuição, para o mercado corporativo de TI, deste estudo de maturidade em Gestão de Projetos (www.maturityresearch.com) desenvolvido com muita abnegação e competência pelos Professores e consultores Russell Archibald e Darci Prado, estudo este que possibilita às empresas se posicionarem sobre o estágio de maturidade em que se encontram, visando acima de tudo aumentar a sua eficácia na gestão de projetos.

Uma iniciativa como esta não seria bem sucedida se não contasse com o apoio de diversas organizações, que divulgaram intensamente a pesquisa junto a seus associados ou colaboradores. Dentre elas desejamos destacar o PMI-MG, a FGV e a revista MundoPM pelos fortes e decisivos apoios. Muitas outras organizações prestigiaram a pesquisa, às quais externamos o nosso agradecimento. Dentre elas desejamos destacar:

Capítulos do PMI: Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais,
Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina.
• Representação do IPMA (Internacional Project Management Association): ABGP e APOGEP
(Portugal)
• Representações da Sucesu: Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio
de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.
• MBC – Movimento Brasil Competitivo.
• Sindicatos e Associações: ASBRAER, CBIC, FIEMG, SINDUSCON-MG, SICEPOT-MG, CREASP, IPT-SP, ABEP, ANPEI,
• Comunidades Virtuais: Clube PM, PMI-SIG-GOV, PMI-SIG-PMBOK
• Escolas de Pós Graduação: FGV, Fundação Dom Cabral e IETEC.
• Empresa X.25

SUMÁRIO

PARTE A – VISÃO GLOBAL
PARTE A1 – INTRODUÇÃO
PARTE A2 – TRATAMENTO DE DADOS
PARTE A3–O PROJETO MPCM (MATURITY BY PROJECT CATEGORY MODEL).6
PARTE A4 – O QUE É SUCESSO DE UM PROJETO DE T.I.?
PARTE B – RESULTADOS 2008
PARTE B1 – PERFIL DOS PARTICIPANTES
PARTE B2 – A EVOLUÇÃO DE T.I. NO BRASIL
PARTE B3 – RESULTADO GERAL E COMPARAÇÕES: SUCESSO
PARTE B4 – RESULTADO GERAL E COMPARAÇÕES: MATURIDADE E
SUCESSO
PARTE B5 – A IMPORTÂNCIA DO PMO
PARTE B6 – CAUSAS DE FRACASSO
PARTE B7 – CONCLUSÕES
PARTE B8 – IMPORTÂNCIA DESTE ESTUDO
PARTE B9 – PRÓXIMOS PASSOS
ANEXOS
ANEXO 1 – CORPO DE VOLUNTÁRIOS

ANEXO 2 – QUESTIONÁRIO USADO NA SEGUNDA ETAPA DA PESQUISA
ANEXO 3 – ANÁLISE DOS RESULTADOS DA CATEGORIA SISTEMAS DE
INFORMAÇÃO (SOFTWARE) OBTIDOS NA PRIMEIRA ETAPA DA PESQUISA 2008
ANEXO 4 – ANÁLISE DOS RESULTADOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS TECNOLOGIA DA
INFORMAÇÃO (HARDWARE & SOFTWARE) OBTIDOS NA PRIMEIRA ETAPA DA PESQUISA 2008
ANEXO 5 – O QUE É SUCESSO DE UM PROJETO DE T.I.? (TEXTO COMPLETO)
ANEXO 6 – O CHAOS REPORT
ANEXO 7 – UMA PLATAFORMA PARA GP
ANEXO 8 – O MODELO PRADO-MMGP
PESQUISA 2008: MATURIDADE E SUCESSO EM PROJETOS DE T.I.

PARTE A – VISÃO GLOBAL
PARTE A1 – INTRODUÇÃO

Estamos apresentando o Relatório Final da segunda etapa da pesquisa Archibald & Prado – 2008 sobre Maturidade e Sucesso em projetos de T.I. Esta pesquisa esteve disponível gratuitamente no site www.maturityresearch.com durante os meses de fevereiro a março de 2009 e foi respondida por profissionais representando 41 organizações envolvidas com T.I. e que haviam participado da primeira etapa da pesquisa, realizada nos últimos meses de 2008. Desta forma, a coleta de dados da pesquisa 2008 foi feita em duas etapas:

• Entre setembro e dezembro 2008, visando medir a maturidade setorial (ou departamental) de
organizações brasileiras, dentre as quais temos projetos oriundos dos setores de informática.
• Entre janeiro e março 2009, visando medir o nível de sucesso destes projetos.

Tendo em vista a complexidade do assunto e o tamanho reduzido da amostra obtida (total de participantes), a segunda etapa da pesquisa é, na realidade, um estudo exploratório que pretende estabelecer uma base para outros futuros estudos.

Os objetivos deste estudo são:
• Verificar o nível de sucesso das organizações brasileiras que praticam projetos de T.I.
• Verificar se existe uma correlação entre sucesso e maturidade conforme modelo Prado-MMGP.
• Comparar os resultados com o relatório Chaos Report do Standish Group
(www.standishgroup.com/chaos).
• Identificar as principais causas de fracasso.
• Verificar se existe uma correlação entre maturidade, sucesso e fatores adicionais (cenários,
tamanho da organização, etc.).

É importante deixar bem claro o que está sendo pesquisado.
Conforme dito acima, este relatório é fruto de duas etapas da pesquisa, efetuadas na internet. A
segunda etapa da pesquisa tem o objetivo de avaliar o sucesso de projetos da categoria Sistemas de
Informação (software), tal como definido por Russell Archibald (como apresentado em
www.maturityresearch.com) e efetuar uma correlação com os dados de maturidade da primeira etapa
da pesquisa. Os participantes da segunda etapa são setores (ou departamentos) de organizações
que trabalham com desenvolvimento ou implementação de sistemas de informação (software). Ou
seja, se identificaram, na primeira etapa da pesquisa, como executando projetos da categoria
Sistemas de Informação (Software) e participaram, também, da segunda etapa. Assim, estes
setores estão envolvidos com uma ou mais das atividades abaixo, típicos projetos da área de
computação:

Deixe um comentário